Tipos de parto - Parte 1

parto1

Por: Joyce Trajano


A gravidez está sendo uma maravilha, tudo correndo super bem... mãe e bebê estão com ótima saúde! Mas, algumas dúvidas pairam na cabeça da futura mamãe: que tipo de parto eu deverei escolher? Qual a melhor opção? Se escolher pelo normal será que sentirei muita dor? E o bebê? No caso de optar pela cesárea, será que a recuperação é muito demorada? Quais os benefícios para a criança?

São tantas as questões que passam pela cabeça da mamãe que podemos ver um furacão dando voltas em seus pensamentos. Por isso, pensei em fazer uma série de matérias sobre os diferentes tipos de partos, e quais as vantagens/desvantagens de cada um deles. Espero que essas informações possam ajudá-las na difícil tarefa de escolher o melhor parto.

Antes de qualquer coisa, aconselho a todas as futuras mamães a conversarem muito com o especialista que faz o acompanhamento de sua gravidez. Nada como uma boa conversa para sanar todas as suas dúvidas. Além disso, só ele poderá indicar qual o melhor parto para você, porque cada um deles depende de algumas condições físicas e de saúde - tanto da mamãe como do bebê - para serem realizados.

De qualquer forma, minha intenção é oferecer o máximo de informações para que você possa encontrar respostas e até tomar sua decisão com mais segurança. Então, vamos lá?

Parto Normal


O parto normal apresenta muitas vantagens sobre os outros tipos de parto, principalmente a cesariana. Devemos lembrar sempre que o corpo da mulher foi desenhado para esse tipo de parto, por isso sua recuperação é mais rápida. E, as chances de surgirem complicações como hematomas ou infecções - na mãe ou na criança - são bem menores, uma vez que este seria o “grand finale” natural da gravidez.


O que muitas vezes assusta as mulheres neste tipo de parto é o medo da dor. Hoje em dia, ficou mais fácil ter um parto normal, pois já é possível tomar anestesia e continuar participando do trabalho de parto sem nenhum problema. A anestesia aplicada é uma combinação da raquiana com a peridural – em dosagens menores – que alivia o desconforto provocado pelas dores.


Vantagens do parto normal


São várias as vantagens apresentadas por este parto, entre elas posso citar:
  • A quantidade de sangramento durante o parto é bem menor do que na cesariana;

  • Ele evita problemas respiratórios para o bebê;

  • Recuperação da mamãe é mais rápida;

  • A descida do leite é acelerada.



Como ocorre o parto normal


Quando a mamãe começa a sentir algumas contrações (não dolorosas) é sinal de que está iniciando o trabalho de parto.

Ao chegar ao hospital, o médico fará alguns exames de rotina para verificar o andamento do trabalho de parto. Com certeza, ele verificará a dilatação do colo do útero e a posição do bebê. Se ambos estiverem bem (colo dilatado e criança na posição cefálica – de cabeça para baixo), é bem provável que o parto seja normal. Se a dilatação for pequena também é possível induzi-la com o uso do hormônio sintético ocitocina (produzido naturalmente pelo organismo da mãe durante o trabalho de parto).

Quando as contrações tornam-se mais intensas e contínuas, você está entrando na fase mais dinâmica do trabalho de parto. Neste momento, o médico pode optar (caso a paciente deseje) pelo uso de uma anestesia para aliviar o desconforto da dor e, assim, deixar a mãe mais confortável para o nascimento do bebê. Vale lembrar que, com este procedimento a mamãe não perde a força para ajudar seu bebê a nascer.

O trabalho do parto exige esforço em conjunto da mamãe e do bebê. Mas, o stress causado pelo trabalho é benéfico para a criança, pois seu organismo começa a liberar o hormônio cortisol, fazendo com que os pulmões do bebê possam funcionar bem. Desse modo, é possível evitar futuros problemas respiratórios como pneumonias.

No momento em que o bebê está passando pelo canal vaginal, ele tem seu corpinho comprimido, inclusive o tórax (mas não se preocupe isto é essencial para ele!). É através dessa compressão que o líquido amniótico alojado nos pulmões da criança consegue sair do órgão, sendo expelido pela boca e facilitando a manifestação do primeiro suspiro de seu pequeno.

Durante o parto, o médico pode optar por fazer uma episiotomia (pequena incisão no períneo - entre a vagina e o ânus) para que a criança tenha mais espaço para passar, além de evitar a ruptura dos tecidos perineais. Após o parto, o corte é suturado e sua cicatrização é rápida - em geral uma semana.

Após a expulsão do bebê (isso mesmo... seu bebê é literalmente expulso pelo seu organismo), o útero volta a se contrair, agora para expulsar a placenta.

Ao mesmo tempo em que o corpo da mamãe está voltado para o nascimento do bebê, ele também começa a produzir os hormônios ocitocina e prolactina - responsáveis pela aceleração na descida do leite materno. Desse modo, assim que a criança nasce já é possível amamentá-la.

Se tudo correr bem (sem complicações que obriguem o médico a realizar uma cesárea) após 48 horas mamãe e bebê podem voltar para casa em perfeita harmonia.

E, se o parto ocorrer de maneira natural e na hora certa, os efeitos produzidos sobre o estado psicológico da mamãe são fantásticos! Deixando-a mais preparada para a nova fase de cuidados com seu (sua) pequeno (a) príncipe/princesa. Posso dizer, por experiência própria, que o parto normal é cheio de emoções, mas extremamente gratificante e de uma recuperação fantástica! Com certeza, a mulher fica mais disposta para cuidar do bebê e não depende tanto assim da ajuda de outras pessoas nesses primeiros dias de convivência com a criança.


Mitos


  • Mulheres que nasceram de cesárea dificilmente terão um parto normal: não há estudos que comprovem essa tese. Muitas são as circunstâncias levadas em consideração para que o parto não seja normal, por exemplo: se o tamanho do bebê é compatível com a estrutura física da mãe, se a posição em que o bebê se encontra é adequada para a realização do parto normal, se a idade da paciente condiz para este tipo de parto, entre outras.


  • A parturiente não tem músculos na barriga, por isso não poderá fazer força: preparo físico ajuda, mas não é fator condicionante para que o parto normal ocorra.


  • Parto normal é coisa do passado. Agora a melhor opção é a cesárea: O melhor parto para a mamãe e para a criança é o normal, pois ele ocorre no momento em que o bebê está pronto para nascer - de forma natural. Parto normal não depende de modismos.


  • “Só faço parto normal se for de dia, caso contrário só cesárea”: Esta é uma fala comum de muitos obstetras. A maioria não quer ficar à disposição da vontade natural da natureza, por isso acabam “forçando” suas pacientes a optarem por uma cesariana. A hora do parto depende do bebê e não da agenda do médico. Mas, uma boa conversa com seu obstetra sobre este tema poderá ajudá-la, garantindo que não ocorra nenhuma surpresa desagradável na hora do parto. Não fique magoada com a sinceridade do seu médico. Neste caso, é aconselhável você procurar outro especialista que não se importe em esperar que a natureza siga seu fluxo normal.


  • O parto normal causa sofrimento fetal: O sofrimento fetal ocorre quando a oxigenação do bebê está prejudicada. Mas, o especialista não consegue determinar antecipadamente se seu parto será demorado a ponto de causar este tipo de problema em seu bebê. Não existe um tempo específico que se possa aguardar durante o parto normal, tudo vai depender da avaliação e monitoração da criança, além da progressão do trabalho de parto. Portanto, se seu especialista quiser prever tal acontecimento com dias ou semanas antes de você entrar em trabalho de parto, para marcar uma cesariana, converse sinceramente com ele sobre suas razões em ter optado pelo parto normal. E mostre que você faz questão de que ele respeite sua decisão.


  • O parto normal deixa a mulher “alargada” e isto afastará o marido dela: O parto normal não faz o útero ou a bexiga da mulher cair. O que causa esse problema é a falta de assistência médica correta durante o trabalho de parto. As mamães que tem um bom acompanhamento durante o parto não apresentam esse tipo de problema. O parto normal pode até mudar a estática pélvica da mulher, mas não quer dizer que para pior.


  • A falta de sol prejudica o trabalho de parto: Não existe estudo que mostre que a falta de sol tenha alguma relação com dificuldades na hora do parto.


O parto normal ainda é a melhor opção para a mamãe. E muitos são os médicos a favor dele. Pelo lado do bebê é uma excelente opção, pois o parto normal ajuda a criança a se adaptar com mais facilidade ao mundo externo.

Mais uma vez, ressalto a importância de uma conversa aberta e franca com seu médico para saber se você e seu bebê estão em perfeitas condições para a realização do parto normal. Se a resposta for afirmativa, então não tenha medo de experimentá-lo... você se surpreenderá com os resultados!

Comentários: